E de repente, 33 anos!

FAMÍLIA - a razão da minha vida

Parece que há pouco era a vez dos 18. Ah, o tão esperado 18 anos. Idade da liberdade, do descobrimento, dos planejamentos sem fim. Mas os 18 anos passaram como um cometa; os trintas e poucos anos chegaram. 33 para ser exato.
Assim como os 18 anos, 33 é uma idade especial; marca a idade de Cristo; a sua ressurreição.
Aos 33 anos, boa parte do nosso "livro da vida" já foi escrito. É momento de parar e pensar na vida; oportunidade de renovação, inovação, ressurreição.
É impossível que nesta idade você consiga trabalhar em algo que não goste; temos ansiedade por conquistar, logo, a tão sonhada tranquilidade no emprego.
Nesta idade, muitos ainda estão a procura do grande amor, ou como diz o velho ditado popular, a tampa da sua panela. Quem já encontrou a sua alma gêmea, passa a agir com uma mistura de 18 e 50 anos. A fase do planejamento dos 18 com a necessidade de conclusão destes, como se já tivesse 50 anos. Tudo começa a passar muito rápido; não podemos mais nos dar ao direito de errar.
As saídas de sexta e sábado a noite, tão esperadas na juventude, hoje se transformaram em brincar com os filhos, assistir sua série preferida no Netflix junto com sua cara-metade ou ler um bom livro. Sair? Ah, isto fica sempre em segundo plano.
Falando em filhos; como pode uma criança mudar tanto a vida da gente? É inexplicável a sensação de ser Pai; Aos 33 anos, você nota que a sua vida é viver para os filhos. Sempre eles em primeiro lugar. No meu caso, em particular, viver pela minha Princesa Duda.
Aos 18 anos você quer ser amigo de todo mundo, estar em todos grupos; sua agenda social é concorrida; Aos 33 anos, seu círculo de amizades diminui; ficaram apenas os verdadeiros, bons e velhos amigos; muitos destes, passamos dias, semanas, meses sem se ver ou falar, mas a amizade é a mesma.
Os anos vão passando; não há mais tempo para erros na vida. Esta é a fase de construir, colher. Como em um passe de mágica os 40 anos chegará. É preciso viver, cada minuto como se não houvesse o amanhã.
O número 33 tem grande significado na história do nosso Planeta Terra. É conhecido como o número mais sagrado e poderoso de todos. Jesus e Alexandre (O Grande) morreram aos 33 anos. O Rei Davi reinou durante 33 anos Jerusalém. Jacob tinha 33 filhos. O Livro Tibetano dos Mortos fala dos 33 céus governados por Indra e os 33 governados por Mara. Na Cabala, há 33 caminhos que servem de pontes entre as “Sefirots” da árvore sefirotal ou árvore da vida. Na numerologia espiritual, os números 11, 22 e 33 são os três "números-mestres", sendo o 33 o mais alto. Na Maçonaria, 33 é o grau máximo de aprendizado do Maçom. Não há como negar que o número 33 é um simbolismo muito forte neste Planeta. Há ainda diversas situações envolvendo o número 33. Caso tenha curiosidade, acesse o Blog Liberdade Mental. Ali você poderá conhecer alguns segredos desse número.
Horácio Netho em seu livro "Comando Estrelinha, temas transcendentais.", nos traz que: “O número 33 simboliza a energia do coração, quando aos 33 anos de idade o ser humano adentra as experiências que necessitam ser experimentadas através do centro cardíaco, que perdura até os 44 anos dentro do tempo linear da Terra. Na ascensão da consciência humana redimensionada para o corpo físico, 33 também são os degraus que devem ser galgados energeticamente, passo a passo, estando manifestados simbolicamente na estrutura da coluna vertebral central do sistema esquelético humano. Reconhecido como símbolo do número ‘Mestre Maior’, o 33 é a representação da união da vida terrena com a cósmica, através da integração da energia corrente livre na medula nervosa de um ser humano por dentro da sua coluna vertebral, interligando o sistema nervoso sutil entre as energias elevadas que descem pelo topo de sua cabeça com as mais densas que se integram na matriz do planeta, unindo-as numa só corrente de consciência.”
Resumindo, este será o ano de mudança de hábito; é uma nova vida que se inicia.